Imprensa

Mais notícias:

Cooperativas vinícolas apostam na Wine South America como propulsora de negócios

Publicada em 28/05/2018 - 13:33


Aurora, Garibaldi e Nova Aliança buscam visibilidade e novos mercados para os vinhos brasileiros

 

Consagrado modelo de gestão e negócio, as cooperativas vinícolas possuem relevante participação nas vendas de vinhos, espumantes e sucos de uva nacionais, inclusive com produtos premiados em concursos fora do Brasil. Três das mais expressivas da Serra gaúcha já confirmaram presença na primeira edição da Wine South America – feira internacional do vinho. Nova Aliança, Aurora e Garibaldi serão expositoras da Feira Internacional do Vinho, que ocorre de 26 a 29 de setembro em Bento Gonçalves. Juntas, essas três cooperativas representam cerca de 2.050 famílias associadas e venderam mais de 87 milhões de garrafas de bebidas derivadas da uva em 2017.

A Aurora, maior cooperativa vinícola do Brasil, congrega mais de 1.100 famílias associadas e registrou mais de 58 milhões de garrafas vendidas no ano passado. Para o diretor geral, Hermínio Ficagna, a Wine South America será uma vitrine para os vinhos brasileiros. “Um evento dessa grandiosidade nos dá a possibilidade de mostrar ao consumidor e ao mundo que o Brasil produz vinhos e derivados de excelente qualidade, detentores de premiações nos mais diversos concursos em todo o mundo”, assinala.

A expectativa de conquistar mercados também motiva a Cooperativa Nova Aliança, de Flores da Cunha, que conta com cerca de 550 famílias produtoras de uva para a produção das mais de 14,5 milhões de garrafas comercializadas em 2017. “Optamos por participar da feira pela importância que ela possui já em sua primeira edição, pois deverá atrair a atenção dos principais players nacionais e internacionais. Estamos apostando na expectativa de que a WSA seja referência positiva para exposição de marca, prospecção de contatos e negócios e na comercialização de produtos”, conta o diretor financeiro Rodrigo Colleoni. “Esperamos uma boa abertura, principalmente no mercado consumidor. Por ser um evento de experiência e que não segue os padrões de feiras tradicionais, acreditamos que toda a experiência durante o evento não fica apenas no seu espaço, e sim oportunizando mais contato com os consumidores”, completa o gerente comercial Fernando Matana.

Da região dos Vinhedos vem mais uma confirmada: a Cooperativa Vinícola Garibaldi, que em 2017 registrou venda superior a 15 milhões de garrafas de bebidas derivadas da uva. “Os vinhos e espumantes brasileiros têm características diferenciadas que lhes permitem aparecer com orgulho diante de consumidores e especificadores de todo o mundo. É preciso, portanto, valorizá-los e promove-los nesse cenário, desafio que a Feira Internacional do Vinho vem preparada para assumir. Acreditamos no potencial de nossos produtos e, por isso, trabalharemos a participação nesse encontro como grande oportunidade de fortalecimento dos negócios”, diz o presidente da Cooperativa, Oscar Ló, também presidente do Ibravin (Instituto Brasileiro do Vinho), outro nome relevante no rol de apoiadores da Wine South America.

Promovida pela Milanez & Milaneze, subsidiária da italiana Veronafiere – empresa italiana especializada em eventos de negócio e realizadora da Vinitaly, a Wine South America tem expectativa de integrar 250 expositores nos pavilhões do Parque de Eventos, atraindo cerca de 10 mil visitantes. Além das transações comerciais, o turismo é outro viés que deve movimentar a economia, pois a feira ocorrerá no principal destino enoturístico do país. O evento também terá espaço para produtores de café, destilados e olivicultuores. Além das principais novidades levadas pelos expositores, haverá cursos, seminários e degustações para ampliar os conhecimentos sobre o universo dos vinhos.